Especialidades

  • Ecocardiograma
    • O ecodopplercardiograma o exame diagnstico no invasivo mais importante no diagnstico das doenas cardacas (cardiopatias) em ces e gatos. Ele demonstrar diversas estruturas cardacas atravs de feixes de ultrassom, ou seja, o ultrassom do corao. As indicaes mais frequentes so para as cardiopatias congnitas e adquiridas, alm de anlise funcional cardaca antes de procedimentos quimioterpicos e anestsicos. Durante o exame, sero observadas todas as estruturas do corao, como o tamanho das cmaras cardacas, a massa do msculo ventricular cardaco, a funo do corao (como est a contrao e o relaxamento dos ventrculos), avaliao hemodinmica e avaliao minuciosa das valvas cardacas, alm de possveis neoplasias (tumores) e parasitas (vermes) cardacos. O exame fornece ainda, orientao teraputica e prognstica. Dentre as principais cardiopatias em ces e gatos, destacam-se a degenerao da valva atrioventricular esquerda, denominada valva mitral, onde origina-se a doena denominada endocardiose valvar mitral; a cardiomiopatia dilatada, onde h um mal funcionamento na contrao cardaca e a cardiomiopatia hipertrfica, comum na espcie felina. Para tais cardiopatias, o ecodopplercardiograma ir alm de diagnosticar, ditar em qual estgio da doena o animal se encontra.

  • Eletrocardiograma Digital
    • Responsvel M.V. Eduardo Carlos Siqueira Bezerra


      Eletrocardiograma (eletro = eltrico + cardio = corao + grama = registro). O eletrocardiograma consiste no registro da atividade eltrica do corao. o exame de eleio para o diagnstico das arritmias do corao, dos bloqueios trio-ventriculares, dos distrbios de conduo, auxiliar no diagnstico das alteraes nos intervalos PQRST (nas endocrinopatias, nefropatias, hipxia do miocrdio) e no pr-cirrgico quando arritmias graves podem ocasionar complicaes e bito no ato cirrgico. O exame de praxe na avaliao cardiolgica e deve ser sempre acompanhado da radiografia torcica - para identificao da insuficincia cardaca congestiva (edema pulmonar cardiognico), da cardiomegalia, do deslocamento do tronco bronquial principal e do colapso da traquia - pois o eletrocardiograma pode ser normal mesmo nas cardiopatias graves com ou sem edema pulmonar cardiognico. Raas com famlias frequentemente afetadas por arritmias e cardiopatias e comuns no Brasil so: Pastor Alemo, Boxer, Schnauzer e Cocker Spaniel. Devemos suspeitar de arritmias quando no exame clnico descobrirmos taquicardia ao repouso, dficits de pulso, sncopes (perda rpida da conscincia) e nas bradicardias. Nos gatos, a doena do trato urinrio inferior dos felinos pode levar hipercalemia e bradicardia (quando os bichanos apresentam frequncia cardaca inferior a 120 bpm).

  • Endoscopia / Colonoscopia
    • Responsvel M.V Alexandre Peres Orru


      A Endoscopia um mtodo diagnstico no-invasivo, bastante seguro que permite a inspeo direta de alteraes ao vivo atravs de um monitor de vdeo. Com este exame pode-se avaliar inmeras patologias que acometem, especialmente o aparelho digestrio, e respiratrio dos pequenos animais. Este procedimento a melhor maneira de colher amostras da mucosa gastrintestinal para avaliao histolgica e diagnstico de doenas inflamatrias e neoplasias do aparelho digestrio. Assim como, importante mtodo auxiliar no reconhecimento de alteraes anatmicas que no podem ser confirmadas por radiografias ou ultrassonografias. Destacamos tambm uma maior facilidade e segurana na remoo de corpos estranhos e implantao de tubos gstricos para alimentao.

      Entre outras indicaes:

      Vmitos;
      Regurgitaes;
      Disfagia;
      Engasgos;
      Diarrias crnicas;
      Melena;
      Estenoses (inclusive colapso de traquia);
      Obstrues;
      Explorao e coleta de fragmentos das vias areas superiores e inferiores;

      Devemos ressaltar que a endoscopia pode ser usado como examecorriqueiro na clnica e cirurgia de pequenos animais. Deixando de lado o mito de bicho de sete cabeas, torna-se um grande aliado do mdico veterinrio, do proprietrio e, principalmente do animal, evitando na maioria das vezes mtodos invasivos.

      Endoscopia gastrintestinal A endoscopia tem revolucionado a abordagem diagnstica e teraputica em ces e gatos. A endoscopia gastrintestinal facilita a investigao, de regurgitao, vmitos crnicos, hematemese, melena e diarria. Pode-se observar as superfcies das mucosas diretamente (macroscopicamente) e obter amostras atravs de bipsias sem a necessidade de recorrer cirurgia. Entre suas aplicaes teraputicas destacam a extrao de corpos estranhos, dilataes de estenoses e colocao de sondas de alimentao.



      Aplicao da endoscopia gastrintestinal:



      Alterao clinica Regurgitao
      Corpos estranhos
      Estenoses

      Tcnica endoscpica Esofagoscopia

      Vomito
      Hematemese
      Melena
      Corpo estranho gstrico
      Colocao de sonda para alimentao

      Gastroscopia

      Diarria de intestino delgado
      Vomito
      Melena
      Colocao de sonda para alimentao

      Duodenoscopia

      Diarria de intestino grosso
      Tenesmo
      Hematoquesia
      Melena

      Colonoscopia ou retocolonoscopia


      Preparao do paciente Retira-se a alimentao no mnimo 12 horas antes da endoscopia do trato gastrintestinal superior (esofagoscopia, gastroscopia e duodenoscopia). Os pacientes com reteno gstrica e ou corpos estranhos podem necessitar de um perodo de tempo mais longo. J na endoscopia do trato gastrintestinal inferior (colonoscopia), necessita de 24 a 48 horas de jejum e na maioria das vezes a realizao de enemas e administrao de solues orais para lavado colonico. Todos os procedimentos endoscpios flexveis devem ser realizados sob anestesia geral. Alguns autores evitam uso de atropina antes da gastroscopia e ou duodenoscopia devido aos efeitos negativos sobre a motilidade gastrintestinal e secreo intestinal. Utilidade da endoscopia na investigao de alteraes esofgicas e gstricas:

      Esfago til
      Esofagites
      Estenoses
      Neoplasias
      Alteraes vasculares
      Corpos estranhos
      Ulceras
      Intussuscepo gastresofgica

      Estmago Gastrites
      Neoplasias
      Corpos estranhos
      Ulceras
      Pilorogastropatia hipertrfica

      Intil
      Desordens de motilidade e funcionais*
      Megaesfago difuso

      Desordens*

      * so mais bem evidenciadas em estudos radiogrficos contrastados.


      Esofagoscopia A principal indicao da esofagoscopia e o estudo da regurgitao. Uma anamnese cuidadosa e um exame orofarngeo permitem diferenciar a regurgitao de vmito e da disfagia. Antes da esofagoscopia realizam-se exames radiogrficos para controle.

      Anormalidade como reteno de alimento, lquido, parasitas e corpos estranhos so facilmente visveis ao exame.

      A existncia de enrijecimento, rugosidades, petquias e ulceras podem indicar a presena de esofagite. Tambm pode detectar-se a presena de perfuraes, estenose secundaria a alteraes de anel vascular e estenose causada por massa esofgica. A intussuscepo gastresofgica rara, mas pode ser resolvida mediante a insuflao e a introduo cuidadosa do endoscpio. As alteraes de distensibilidade da parede esofgica indicam a existncia de causas submucosas ou extraesofgica.


      Gastroscopia A principal indicao da gastroscopia e o estudo de vmito crnico (intermitente ou persistente), hematemese e melena. Antes de estudar uma alterao gstrica primaria deve obter-se uma base de dados mnima (hemograma, perfil, urinalise) e radiografias abdominais de controle para detectar alteraes metablicas subjacentes. A gastroscopia permite examinar detalhadamente a mucosa gstrica e obter amostras de biopsia para o exame histopatolgico.

      Anormalidade como reteno de alimento, liquido, parasitas e corpos estranhos e obstruo pilrica so facilmente visveis ao exame.

      Deve examinar-se cuidadosamente a superfcie da mucosa para detectar enrijecimento, rugosidade, petquias, hemorragias, aumento da granularidade ou friabilidade, engrossamento das pregas da mucosa e distores, eroses, ulceras e massas.

      As alteraes de distensibilidade da parede gstrica indicam a existncia de causas submucosas ou extragstricas.

      Utilidade da endoscopia para investigao de alteraes intestinais.

      Intestino delgado til
      Enfermidade intestinal inflamatria duodenal
      Ulceras
      Neoplasias
      Corpos estranhos
      Crescimento bacteriano
      Girdia
      Enfermidade ileal distal

      Intestino grosso Colites Ulceras
      Plipos
      Neoplasias
      Intussuscepo ileocecoclica
      Everso cecal

      Intil
      Desordens de motilidade e funcionais
      Leses jejunais
      Leses em leo proximal


      Duodenoscopia A principal indicao da duodenoscopia e a diarria de intestino delgado, enteropatias, perdedora de protena, vmito crnicos (intermitente ou persistente) e melena.

      Antes de estudar desordens intestinais primrias, os pacientes com diarria de intestino delgado devem submeter-se a um protocolo diagnstico para detectar causas subjacentes metablica, parasitaria, infecciosas e pancreticas. Devido natureza difusa de muitas das causas de diarrias de intestino delgado e enteropatias. E possvel obter um diagnstico sem a necessidade de cirurgia.

      Anormalidades como alimentos sem digerir, grandes quantidades de lquidos, tumores, corpos estranhos e parasitas se detectam com facilidade. Deve avaliar a mucosa para detectar aumentos, enrijecimento, palidez, petquias, eroso, ulcera e aumento da granularidade. A desinflao e a insuflao do duodeno permite detectar alteraes de distensibilidade e irregularidade da mucosa. Para determinar se a mucosa excessivamente frivel se utiliza pina de biopsia.


      Colonoscopia A colonoscopia utilizada para avaliar diarria crnica de intestino grosso, tenesmo fecal e hematoquesia.

      Posto que o protocolo diagnstico e teraputico das enfermidades de intestino delgado e grosso so diferentes, importante localizar o local mais provvel da desordem. Os aspectos caractersticos da diarria de intestino grosso so aumento de flatulncia, tenesmo, volume fecal baixo e presena de muco e sangue fresco. Raramente existe vmito e perda de peso. Para poder descartar desordens extracolonicas e necessrio um exame fsico completo e um exame retal.

      As amostras fecais devem ser examinadas para detectarem parasitas e deve realizar um cultivo frente a campilobacter e salmonela. Tambm deve realizar um perfil bioqumico, urinalise e hemograma completo para detectar uma enfermidade sistmica.as radiografias abdominais de controle podem oferecer pouca informao, mas podem ser realizadas para detectar massas e corpos estranhos. As alteraes anormais como plipos, tumores, corpos estranhos ou parasitas so detectados facilmente. Devem inspecionar cuidadosamente a mucosa para detectar aumento de enrijecimento ou palidez, petquias, eroses, ulceras e aumento de granularidade. Para isto muitas vezes a necessidade de retirar alguns fragmentos da mucosa (bipsia). A desinflao e insuflao do clon permitem detectar alteraes de distensibilidade e irregularidade da mucosa. As alteraes que podem ser observadas na juno ileocecoclica incluem neoplasias, inflamaes, parasitas, inverso cecal e intussuscepo.


      Bipsia Com freqncia se realizam biopsias endoscpicas para facilitar a avaliao histolgica da mucosa gastrintestinal. As amostras de biopsia podem revelar a presena de clulas neoplsicas ou inflamatrias e bactrias.


      Endoscopia teraputica Retirada de corpos estranhos Os corpos estranhos so uma das alteraes mais freqentes observadas em ces e os fragmentos sseos os mais comumente encontrados. A endoscopia mostrou-se um mtodo prtico e seguro no diagnstico e remoo de corpos estranhos por via oral, permitindo avaliar a condio da mucosa esofgica, alm de determinar a natureza do corpo estranho.

      Mas as alteraes secundarias e a cronicidade influenciam na remoo por endoscopia, como por exemplo, ossos alojados em esfago, que a remoo deve ser imediata para evitar complicaes e objetos que podem causar leses e obstrues gstricas e intestinais (ex: agulhas e etc.). As vantagens principalmente da esofagoscopia e a remoo de corpos estranhos via oral, evitar a toracotomia e suas complicaes associadas, alm disso, evitar a inciso e estenose esofgica, o que acarretar uma serie de complicaes cirrgicas e ps-cirrgicas, podendo at levar o animal a bito. Em ltimo caso onde a remoo do corpo estranho esofgico no possvel podemos tentar promover a propulso para o estmago e realizar a gastrotomia que oferece menos riscos e complicaes que a esofagotomia.


      Dilatao de estenoses Pode-se utilizar o endoscpio para detectar, inspecionar visualmente, biopsiar e tratar estenoses esofgicas. A maioria das estenoses resultado de traumatismos (ex: aps a remoo de corpos estranhos devido formao de uma lcera transmucosa de 180 graus ou maior, levando a um processo inflamatrio com cicatrizao, retrao cicatricial e conseqncia, estenose de esfago e nos casos de esofagotomia.), mas tambm temos que levar em conta a possibilidade de existir uma neoplasia ou uma compresso extraluminal.

      Acredita-se que a dilatao esofgica o melhor tratamento, e o ideal a utilizao de um cateter de dilatao com balo de tamanho adequado. Normalmente h necessidade de vrias sees de tratamentos, pois a dilatao feita gradualmente.

  • Laboratrio
    • Responsvel M.V. Melissa Fernandes Boscolo Bonin


      O laboratório tem por objetivo auxiliar no diagnóstico da patologia que acomete o paciente veterinário, desde uma instrução prévia de quais exames solicitar até na interpretação destes, passando pelo rigoroso e especializado trabalho intra-laboratorial.

      Os exames realizados pelo IMAGO são hematologia, parasitologia, urinálise, bioquímica, citologia, histopatologia, bacteriologia, micologia, derrames cavitários, função pancreática, imunologia e endocrinologia, para pequenos, grandes e exóticos animais.

      Contamos com equipamentos modernos e automatizados para maior confiabilidade e agilidade na entrega do laudo. Lembrando que estes são calibrados e padronizados regularmente.

      As amostras poderão ser coletadas no próprio laboratório ou nas clinicas veterinárias. Pedimos a gentileza de deixar as amostras coletadas e a requisição devidamente preenchida para maior agilidade das coletas pelo motoqueiro.

      Nossa equipe de motoqueiros é treinada para coletar amostras de material biológico nas clinicas veterinárias sendo estas a qualquer hora do expediente laboratorial na cidade de Piracicaba e nos horários estipulados nas cidades vizinhas, sem cobrar qualquer tipo de taxa.

      O pagamento dos exames poderá ser realizado por faturamento mensal com envio de boleto bancário ou à vista junto com o envio da amostra.

      Os recipientes específicos para a coleta das amostras são gratuitamente cedidos pelo laboratório e repostos quando e quantos forem necessários.

      Existe um rigoroso controle das amostras recebidas pelo laboratório evitando assim troca ou perda da amostra por isso, a identificação do frasco pela clinica solicitante é extremamente importante, pois é o primeiro passo deste nosso controle.

      As amostras são processadas de acordo com a rotina do laboratório e por ordem de chegada. Quando houver necessidade de um adiantamento do resultado, o veterinário deverá solicitar URGÊNCIA na requisição. Assim como, quando houver exames a serem realizados fora do horário de funcionamento pedimos a gentileza de estar se comunicando com o laboratório para que possamos atendê-lo da melhor maneira possível.

      Os resultados dos exames serão enviados somente para o veterinário solicitante via fax, correio ou e-mail e, para o proprietário do animal quando for solicitada a segunda via pelo mesmo. Não será repassado para outro veterinário que não seja o requisitante!

      Exames:

      Bacteriologia;
      Bioqumicos;
      Citologia;
      Derrames cavitrios;
      Endocrinologia;
      Funo pancretica;
      Hematologia;
      Hitopatolgico;
      Imunologia;
      Parasitologia;
      Teste alrgico;
      Urinlise.

  • Radiologia veterinria digital (Radiodiagnstico)
    • Responsvel M.V. Eduardo Carlos Siqueira Bezerra
      Credenciado pela Anclivepa SP desde 2007 (curso diagnstico por imagem)




      Os raios X foram descobertos em 1895 pelo fsico alemo W. Conrad Rontgen. Um ano aps a sua descoberta j estava sendo amplamente utilizado em medicina e no ano de 1896 foram publicados mais de mil trabalhos na rea mdica. Aps quase cem anos de sua descoberta a era digital chegou radiologia e os raios X comearam a ser adquiridos digitalmente com placas coletoras de ftons de raios X e processados em computadores (CR - computed radiography), no mais em filmes fotogrficos. Na medicina veterinria no poderia ser diferente e com o crescente aumento da importncia dos pets (animais de estimao) na sociedade, a exigncia de exames de alta qualidade levou ao aparecimento da radiologia veterinria digital. O exame digital apresenta muitas vantagens como imagens de maior qualidade, processamento computadorizado da imagem, armazenamento e envio de imagens pela internet e rapidez na aquisio das imagens. A histria da radiologia na medicina veterinria no Brasil nos pets (animais de estimao) teve inicio com a abertura do primeiro centro de radiologia em 1987 em So Paulo. O IMAGO foi pioneiro em Piracicaba e regio e em 2002 abriu suas portas realizando exclusivamente os exames de imagem em medicina veterinria radiodiagnstico, ultra-som e eletrocardiograma. Nossa marca sempre foi o exame realizado com a mais alta qualidade e profissionalismo. Em 2011 novamente inovamos adquirindo o equipamento digital (CR) mais conceituado nos EUA antes de cidades como Campinas e Ribeiro Preto e o mesmo que o maior centro de So Paulo. O exame radiogrfico preconizado e imprescindvel nas mais diversas reas da clnica mdica e cirrgica dos animais de estimao. Nas afeces do aparelho locomotor (displasia do cotovelo, coxo-femoral, osteoartrites, neoplasias, nas claudicaes), nas doenas sseas (osteopatias) juvenis (osteodistrofia hipertrfica, panostete, necrose assptica da cabea do fmur), nas fraturas, no diagnstico de pneumonias, pneumopatias e afeces do aparelho respiratrio (bronquite, asma, colapso de traquia, rinosinusites, efuso pleural, massas torcicas e pulmonares, pneumotrax, ruptura do diafragma, contuso pulmonar), em cardiologia na avaliao dos quadros congestivos (edema pulmonar cardiognico ou no cardiognico, no deslocamento do tronco bronquial principal E pelo aumento do trio E), na gastroenterologia (disfagias, megaesfago, corpos estranhos, nos processos obstrutivos, toro gstrica), nas afeces da coluna vertebral (discoespondilite, espondiloartrite, hrnia de disco, neoplasias, alteraes congnitas, m formaes) e no estadiamento dos tumores malignos (ex:tumores de mama, sseos) entre outros.

      Raio-x convencional

      Raio-x digital

  • Displasia
  • Ultrasonografia
    • Responsvel M.V. Carla Corra de Oliveira Bezerra
      Credenciado pela Anclivepa SP desde 2007 (curso diagnstico por imagem)




      Possui na rea de ultra-sonografia, um dos mais modernos aparelhos em clnica particular do interior do estado. Aparelho este com Doppler colorido e 3D free hand, similar a muitos utilizados na rotina de medicina humana.

      Importante mtodo de diagnstico por imagem, o US tem como uma de sua qualidades ser no invasivo, rpido e sem restries, podendo ser realizados em qualquer animal, independente da idade, sexo e do quadro clnico. Mtodo diagnstico de excelncia para abdome, conferindo ampla avaliao da cavidade abdominal e de seus diversos rgos, utilizado tambm para partes moles, articulaes, glndulas e globos oculares (oftalmologia). Como avaliao complementar e/ou adicional importante, utilizamos o doppler colorido para avaliao vascular dos rgos a serem investigados. Com a evoluo dos tempos, hoje podemos contar com equipamentos de ponta, bastante sofisticados, com tecnologia digital, sondas de melhor qualidade, alm de recursos como o 3D e 4D, bastante sofisticados e de extremo benefcio clnico. Na clnica veterinria, temos diversas indicaes nas diversas reas clnicas. No sistema gnito-urinrio: cistites, massas vesicais, alteraes prostticas, clculos vesicais e renais, cistos ovarianos, inflamaes e infeces uterinas (piometrites), assim como neoplasias ovarianas e uterinas entre outras. No sistema gastroentrico: gastrites, enterites, presena de massas em estmago e intestino, processos obstrutivos de diversas naturezas como os causados por corpos estranhos, entre outros. Leses em bao como hematomas, granulomas e formaes nodulares de diversas origens (como tumores de grande agressividade). Em fgado e pncreas leses tumorais, doenas inflamatrias, csticas entre outras. Clculos em vescula biliar, processos obstrutivos de vias biliares e doenas inflamatrias nesse sistema. Na oftalmologia presena de tumores, descolamento de retina, hematomas, entre outros. Por fim, nas gestaes para avaliar o desenvolvimento fetal, aproximar a idade fetal, verificar a vitalidade fetal e sade materno-fetal.

      Indicaes do exame de Ultra-sonografia:

      aumento de volume abdominal de origem desconhecida; dor abdominal; massas abdominais palpveis; pesquisas de metstases; linfoadenomegalias; piometras, hemometras, hidrometras; suspeitas de nefropatias e hepatopatias; doenas prostticas e testiculares; doenas ovarianas; diagnstico precoce de gestao; avaliao gestacional (vitalidade fetal, idade fetal); processos obstrutivos do trato gastroentrico; doenas entricas.

      Indicaes complementares:

      coletas de amostras guiadas (cistocenteses; abdminocenteses); citologias guiadas (fgado, bao, massas e ndulos, lifonodos, etc).

      Vantagens do exame:

      Seguro; Indolor; No invasivo; No ionizante; Custo accessvel.

      Preparo:

      jejum slido entre 6-8 horas (gua vontade); Evitar que o animal urine entre 1-2 horas antes do exame.


Cuidados com seu animal

O cão deve ter abrigo confortável, protegido do sol, da chuva e do vento. Para evitar algumas doenças, recomenda-se um banho por mês. Já os felinos são animais muito limpos e não precisam tomar banho frequentemente.

Saiba mais...

Formas de pagamento

Trabalhamos com as principais bandeiras de cartão de crédito para sua comodidade. Entre em contato conosco e agende o melhor horário para trazer o seu animal.

Saiba mais...

Sobre ns

Profissionais qualificados pra oferecer o atendimento que você e seu animal merecem!

Saiba mais...